atividade física

Síndrome de Down e a Atividade Física

Hoje, dia 21 de março, comemora-se o Dia Internacional da Síndrome de Down e por isso vamos aproveitar para falar da importância da Atividade Física para os portadores da Síndrome.

Características de uma pessoa portadora da Síndrome de Down

A síndrome de Down é o excesso de material genético proveniente do cromossomo 21. Seus portadores apresentam três cromossomos 21, ao invés de dois. As causas que levam a esta divisão ainda não foram totalmente esclarecidas.

De forma geral, a síndrome caracteriza-se por: hipotonia muscular, hiperflexibilidade articular devido à frouxidão, face achatada, baixa estatura, deficiência mental, postura anteriorizada com antepulsão de ombro e semi-flexão de tronco, base aumentada pela falta de equilíbrio e falta de atenção (SBROGGIO & ROBINSON, 2002). 

O exercício físico e sua importância para os portadores da síndrome de Down

O Exercício físico pode colaborar e muito, no desenvolvimento da pessoa portadora da Síndrome de Down. Por se tratar de uma alteração na formação genética do bebê, a Síndrome de Down não tem cura, mas uma boa educação, estimulação e dedicação farão com que o Portador da Síndrome de Down se desenvolva ao máximo seu potencial.

Quando criança, a pessoa com a síndrome deve ser verdadeiramente incluída na Educação Física, não basta estar no mesmo espaço físico ou participar de algumas atividades, mas ela deve fazer parte do grupo e participar de todas as brincadeiras e atividades desenvolvidas durante a aula, mesmo que necessite de ajuda e apoio do professor e de outros colegas. Porém este apoio, não deve transformar-se em super proteção, pois ao invés de contribuir, tende a dificultar o processo de inclusão. Sempre que possível desenvolver atividades em forma de jogos e brincadeiras, pois eles são as melhores maneiras da criança comunicar-se, questionar e explicar.

Segundo (WERNECK, 1995) “(…) os portadores de Síndrome de Down tem capacidade de aprender, dependendo da estimulação recebida e da maturação de cada um o desenvolvimento afetivo e emocional da criança também adquire papel importante” (…). Sendo assim o exercício físico deve ser bem trabalho, para um bom desempenho e resultado.

O programa da Educação Física Especial para portadores da Síndrome de Down propõe uma relação direta entre atividades motoras e sociais, oportunizando vivências novas em ambientes distintos, utilizando jogos e brincadeiras como intermediários para o entendimento das regras sociais e culturais, permitindo vivenciar o que é ou não aceito no convívio social (LIMA et al, 1996). Deve-se sempre incluir as pessoas com a Síndrome de Down nas atividades, pois ao deixá-lo de fora, além de constrangedor está proporcionando a exclusão dele dentro da sociedade.

Sendo ele organizado, o brincar e a brincadeira exploram o seu próprio corpo e seu ambiente desenvolvendo uma liberdade de criar situações e de realizar outro movimento que não é o esperado, e o papel da atividade física, é criar situações em atividade funcionais, que estimulem a criança com a síndrome de Down de uma forma global.

Sabemos que a atividade física é de suma importância para a manutenção da qualidade de vida, da saúde e na prevenção de doenças. A atividade física para pessoas com Síndrome de Down deve ser adequada as suas características e principalmente as suas necessidades. (JUNIOR et al, 2007).

Conforme Perez (1991), é aceito pela comunidade cientifica e pedagógica que a atividade física quando bem estruturada e adequada, tem a ação benéfica nos portadores de deficiência mental. O Portador tem a característica de deficiência mental é a atividade física ajudará muito no seu desenvolvimento.

Toda criança com Síndrome da Down nasce com hipotonia, variando sua intensidade de individuo para individuo. A hipotonia é caracterizada por flacidez muscular e ligamentar que acompanha o individuo por toda a vida. Por isso, o treino muscular precoce da musculatura poderá diminuir essa hipotonia. A hipotonia está ligada diretamente ao atraso de desenvolvimento psicomotor do portador da Síndrome de Down podendo dificultar quando bebê a engatinhar, andar, sugar o leite da mãe, falar. 

A força muscular em portadores de Down melhoram à medida que a criança fica mais velha. Para acelerar este processo de ganho de força e aumento do tônus, a maneira mais indicada é a pratica de atividades físicas com programas de exercícios resistidos que recrutem diferentes tipos de fibras musculares (KISNER, 1998). Estas atividades podem fortalecer a musculatura desde que sejam adaptadas de acordo com as limitações que podem estar presentes nos indivíduos. As atividades que trabalham força muscular vão colaborar para um desenvolvimento mais rápido do é o normal do portador da Síndrome de Down, trazendo para ele facilidade em determinada tarefas do dia a dia, que necessitam de esforços.

Referencial bibliográfico

  • BLADES, M. COWIE, H. SMITH, P. K. Compreender o desenvolvimento da criança. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

  • BUENO, S.T. RESA, J.Z. Educação física para crianças com necessidades educativas especiais. Magála ediçoes 1995.

  • CRUZ, C. RIBEIO, U. Metodologia Científica: Teoria e Prática. Editora: Axcel Books 2ª edição, 2004.

  • COLETIVO DE AUTORES, Metodologia do Ensino de Educação Física. Editora Cortez. 1992.

  • DUARTE, E. LIMA, S. M. Atividade física para pessoas com necessidades especiais, intervenções pedagógicas. Editora Guanabara Koogan S.A. 2003.

  • HEERDT, M.L. LEONEL. V. Metodologia Científica e da Pesquisa. 5ª edição – Santa Catarina, 2007.

  • JUNIOR, C. A; TONELLO, M. G; GORLA, J.I e CALEGARI, D. R. Musculação para um aluno com síndrome de Down e o aumento da resistência muscular localizada. EFDeportes.com, Revista Digital.Buenos Aires, Nº 104, 2007. http://www.efdeportes.com/efd104/sindrome-de-down.htm

  • LIMA, S.R.C. et al. Educação física adaptada: uma proposta para trabalho para pessoas com deficiência mental. 3º Congresso Latino Americano: esporte, educação, saúde, movimento humano, Paraná, 1996.

  • PEREZ, L.M.R. Atividade física e deficiência mental: dados de investigação com implicações para a pratica física. p. 91-111, 1991.

  • SBROGGIO & ROBINSON – APAE. Central de textos, Arquivos, Dados e Informações literárias sobre a síndrome de Down. Disponível: www.epud.or.br

  • WERNECK, Claudia. Muito prazer, eu existo: um livro sobre as pessoas com síndrome de Down. Rio de Janeiro: WVA, 1995.

Fonte: Site www.efdeportes.com

Deixe uma resposta