saúde

O modelo Low-Cost tem seu preço!

No ano de 2019 completasse dez anos desde a entrada de um novo modelo de negócio para Academias denominado low-cost (baixo custo).

Este modelo de academia propõe a mensalidade baixas, essencialmente as custas de ter o mínimo possível de profissionais e / ou pagar o mínimo possível a seus fornecedores.

Ah, enquanto este modelo de negócios para Academia cresce, as academias que investem nos professores estão quebrando por não suportarem as despesas oriundas aplicadas aos Micro empreendedores.

Caro cliente, você está em busca de qualidade? Procure saber quem são os professores, o coordenador técnico, como é o processo capacitação da empresa. Isso vai ser melhor e mais barato do que pagar um Personal “meia-boca” e uma academia barata, sem contar que, ainda são muitas as pessoas que treinam com os que se intitulam Personal e nem ao menos estão capacitados tecnicamente para ser um professor.

Falando em Personal, a galera escolhe com estratégias bem assim:

  • Pessoas que estão na moda, pelas fotos dele(a):  Acorda pessoal!!! O shape dos sonhos visto nas redes sociais , podem ter sido conquistado por meios ilícitos a saúde, pela genética e até por edição de fotos. Aliás, o próprio conceito de um corpo legal, é uma questão individual que não tem relação com a formação técnica,… enfim, e só perder tempo e saúde!
  • Pesquisa por menor : muitas pessoas entram em lojas de suplementação e gastam quatro dígitos em um monte de lixo, torra uma nota na balada… e vai querer economizar umas moedas com o profissional que cuidará da sua saúde?
  • Pessoas do seu “team”: E ainda tem aqueles que querem imitar blogueiras e marombas em detrimento da recomendação baseada em evidências? Isso dói na alma! Sabe por que ? Porque treinam com os que se intitulam novamente como profissionais é só seguir a “onda” dos milagres mentirosos das  numeras “drogas” oferecidas até hoje nos vestiários ou por um AMIGO conhecido.

Tem muito profissional bom, o problema é que algumas atitudes fazem com que eles apareçam pouco e acabem trabalhando em nichos selecionados. Pior, fazem com que as novas gerações cresçam com referências erradas e achem que ciclos de “Bombas Anabólicas” e Photoshop são mais importantes que os estudos e a ética.

Então torço para que os profissionais verdadeiros de um basta e não continuem cedendo a mídia mentirosa, até que as academias “privilegiadas por estratégias econômicas”, e assim, as pessoas também não entreguem sua saúde aos falsos professores.

Por fim, quer saber quem são este falsos profissionais? Simples, pergunte o número do CREF e não se intimidem de pedir para VER a cartinha e Conselho, isso é o mínimo que você pode fazer por você mesmo.

E nós continuaremos torcendo para que as investigações, já em andamento, não permitam que algumas grandes Academias continuem lavando dinheiro e destruindo a busca pelo crescimento dos micro empreendedores honestos.

Deixe uma resposta